Atualizado: 22 de abril de 2024
NOME: Zhuk Vitaliy Vyacheslavovich
Data de nascimento: 8 de abril de 1972
Situação atual do processo penal: Acusado
Artigos do Código Penal da Federação Russa: 282.2 (1)
Detidos: 2 Dias no centro de detenção temporária, 63 Dias no centro de detenção provisória, 369 Dias Em prisão domiciliar

Biografia

Em 10 de novembro, em Khabarovsk, a polícia de choque invadiu uma festa amigável em um café local e prendeu vários moradores locais, incluindo Vitaliy Zhuk. Um processo foi aberto contra eles sob o Artigo 282.2 (extremismo), e Vitaliy acabou em um centro de detenção preventiva. O que se sabe sobre ele?

Vitaliy Zhuk nasceu em 1972 em Khabarovsk, mas passou a infância na aldeia de Krasnorechenskoye (região de Khabarovsk). A família teve cinco filhos, dos quais Vitaly foi o terceiro. Dos 17 anos até sua prisão, trabalhou como soldador, e em todas as equipes de trabalho sempre foi valorizado por sua experiência e responsabilidade. É casado e tem duas filhas.

Quando Vitaliy tinha cerca de 20 anos, ele ficou muito doente e foi hospitalizado. Depois disso, comecei a pensar seriamente sobre o sentido da vida. Sua busca espiritual o levou a estudar a Bíblia, onde descobriu respostas razoáveis para perguntas. Desde então, servir a Deus tem desempenhado um papel importante em sua vida.

Os parentes de Vitaly o conhecem como uma pessoa gentil, modesta e simpática. Eles veem que o estudo bíblico tem um efeito benéfico em toda a sua família e não conseguem entender por que ele está atrás das grades. Os parentes e conhecidos de Vitaliy esperam sinceramente que as acusações absurdas de extremismo sejam retiradas dele.

Histórico do caso

Os civis de Khabarovsk Nikolay Polevodov, Stanislav Kim, os cônjuges Vitaliy e Tatyana Zhuk, Svetlana Sedova e Maya Karpushkina estavam sob investigação depois que um pelotão da polícia de choque invadiu uma festa amigável em um café em novembro de 2018. Três homens foram encaminhados para um centro de detenção provisória e, posteriormente, em prisão domiciliar. Como resultado, o Comitê de Investigação acusou seis Testemunhas de Jeová: homens de organizar as atividades de uma organização extremista e mulheres de participar dela. A única razão é crer em Jeová Deus e discutir a Bíblia com amigos. 14 meses de julgamentos e 20 sessões do tribunal de primeira instância revelaram a improcedência da acusação, e o caso foi devolvido ao Ministério Público. Em dezembro de 2021, voltou à Justiça.