Atualizado: 14 de junho de 2024
NOME: Shalyapin Anatoliy Aleksandrovich
Data de nascimento: 21 de janeiro de 1994
Situação atual do processo penal: suspeitar
Artigos do Código Penal da Federação Russa: 282.2 (2)

Biografia

Anatoly Chaliapin nasceu no Extremo Oriente, no Krai de Primorsky. Antes de sua aposentadoria, sua mãe era uma profissional de saúde - um médico rural, terapeuta, paramédico em terapia intensiva. Meu pai trabalhou como motorista a vida toda. Anatoliy cresceu com histórias da Bíblia porque sua família - pais e irmãos mais velhos - se familiarizou com o conteúdo da Bíblia e o estudou com as Testemunhas de Jeová antes mesmo de ele nascer. Já aos 12 anos, tomou a decisão consciente de viver como crente, respeitando profundamente os mandamentos da Bíblia.

Anatoly gostava de futebol quando criança, por algum tempo jogou pelo time de sua cidade. Depois de se formar na escola, ele recebeu uma educação secundária de direito. Seus hobbies, além de esportes, são equipamentos de informática, inglês e violão.

Histórico do caso

Em fevereiro de 2018, policiais, o Departamento de Investigação do Ministério do Interior e combatentes armados da SOBR invadiram pelo menos 16 casas de Testemunhas de Jeová locais em Belgorod. Crentes pacíficos eram submetidos a tratamento verbal e físico áspero. Dezenas de pessoas, incluindo um grupo de pessoas com deficiência auditiva, foram levadas à força à polícia para interrogatório. O último dos interrogados só foi liberado na manhã seguinte. Dois crentes, Anatoliy Chaliapin e Sergey Voikov, foram detidos por dois dias e depois libertados por seu próprio reconhecimento. Eles são acusados de participar das atividades de uma organização proibida, já que a investigação interpreta a participação de homens nos serviços das Testemunhas de Jeová. O caso criminal foi tratado por uma equipe de investigação composta por 12 funcionários do Departamento de Investigação do Ministério do Interior da Rússia na região de Belgorod. Em agosto de 2019, a investigação do caso foi suspensa, mas um mês depois o Ministério Público derrubou essa decisão, e o caso foi enviado para investigação adicional.