Atualizado: 14 de junho de 2024
NOME: Roslova Marina Valeriyevna
Data de nascimento: 9 de dezembro de 1967
Situação atual do processo penal: Acusado
Artigos do Código Penal da Federação Russa: 282.2 (2)
Limitações atuais: acordo de reconhecimento

Biografia

Em março de 2023, Marina Roslova, da cidade portuária de Vladivostok, no extremo oriente, enfrentou perseguição por suas opiniões religiosas pacíficas.

Marina nasceu em dezembro de 1967 em Khabarovsk, localizada às margens do rio Amur, na fronteira com a China. Mais tarde, a família mudou-se para Partizansk, que fica a 800 km de sua cidade natal. A mãe de Marina trabalhava no comércio, o pai trabalhava na indústria automobilística e, mais tarde, em uma mina. Os pais não estão mais vivos.

Marina era filha única. Desde criança, adorava livros, tocava piano e violão. Depois da escola, mudou-se para Vladivostok, onde se formou em uma escola de música com um diploma de concertmaster. Nos últimos anos, ela tem trabalhado em um serviço de limpeza. Ela ainda adora ler livros, especialmente clássicos do gênero policial.

Marina conheceu o marido em Vladivostok. Em 1988 casaram-se e, um ano depois, tiveram um filho. Em 1992, seu marido morreu tragicamente, e ela teve que criar seu filho por conta própria. Ele é um chef profissional.

Na década de 1990, Marina começou a examinar a Bíblia. Ela ficou impressionada que este livro é preciso, harmonioso e consistente, como uma peça de música, bem como lógico e autoexplicativo. Em 1998, tornou-se uma das Testemunhas de Jeová.

Diante da persecução penal, Marina tenta se manter positiva. Parentes e amigos estão sem saber o que está acontecendo.

Histórico do caso

Após uma série de buscas em Vladivostok em março de 2023, três Testemunhas de Jeová foram detidas e colocadas em um centro de detenção temporária. Dois dias depois, Yegor Pogrebnyak foi libertado em prisão domiciliar, e Yuriy Byche e Sergey Novoselov foram enviados para um centro de detenção preventiva. Um processo criminal foi aberto contra os crentes sob um artigo extremista. Mais tarde naquele mês, Tatiana Kazakova, Marina Roslova, Alina Tkachenko, Anastasia Dyldina e Elena Romanova se tornaram réus no caso. E em dezembro, após novas buscas, Kirill Chekolayev foi preso e colocado em um centro de detenção preventiva. Ele passou cerca de 5 meses na prisão, e Novoselov e Byche passaram quase um ano. Os três foram liberados sob a proibição de certas ações.