Atualizado: 15 de julho de 2024
NOME: Khvostova Irina Vladimirovna
Data de nascimento: 15 de março de 1992
Situação atual do processo penal: Condenado
Artigos do Código Penal da Federação Russa: 282.2 (2)
Limitações atuais: acordo de reconhecimento
Frase: Pena sob a forma de 3 anos de prisão, com privação do direito de exercer atividades relacionadas com a participação no trabalho de organizações e associações religiosas públicas por um período de 3 anos, com restrição de liberdade por um período de 10 meses, uma pena de prisão é considerada suspensa com um período experimental de 2 anos

Biografia

A perseguição de civis por motivos religiosos continua em Magadan. As buscas e interrogatórios começaram em março de 2018. As pessoas são acusadas de "extremismo" só porque leem a Bíblia, rezam e cantam músicas juntas. Entre eles está Irina Khvostova, de 27 anos. O que sabemos sobre ela?

Irina nasceu na cidade de Stakhanov (região de Lugansk, Ucrânia) em 1992 em uma família religiosa, seus pais professam a ortodoxia. Irina tem uma irmã mais nova. Desde criança, a menina foi atraída pela arte, pela autoeducação. Lia muito, estudava piano numa escola de música infantil. E hoje seu desejo de beleza, assim como seu desejo de aprender, não enfraqueceu: Irina ama música e aprende a tocar violão. Mais tarde, a família mudou-se para Odessa. Lá, Irina se formou na Universidade Politécnica com um diploma em tecnologia química. Agora, ele trabalha em um laboratório ambiental.

Em Odessa, a menina conheceu os ensinamentos da Bíblia. "Desde criança, eu acreditava em Deus", diz Irina, "e me perguntava por que tantos infortúnios acontecem com pessoas ao redor do mundo. Eu não li a Bíblia antes. Estudá-lo ajudou-me a ver a grande sabedoria deste livro, a encontrar a resposta à minha pergunta e a encontrar a mais bela esperança para o futuro."

Devido às hostilidades na Ucrânia, toda a família teve que se mudar para Magadan. Naquela época, ela já era casada. Irina conheceu seu futuro marido Vadim na escola. Ele gosta de carros e sua modelagem a partir do papel. Irina e Vadim adoram se reunir com amigos na natureza, cozinhar espetinhos.

Quando chegaram ao casal com uma revista, a irmã mais nova de Irina estava visitando-os. Ela passou por um grande choque. Ela não compartilha as crenças religiosas de sua irmã, mas sinceramente não entende o que a temida palavra "extremismo" tem a ver com Irina e seus amigos. "São pessoas pacíficas, que respeitam as opiniões e pontos de vista dos outros", diz. O marido de Irina está completamente perplexo com a acusação criminal de sua esposa.

Histórico do caso

Após uma série de buscas em Magadan em maio de 2018, Konstantin Petrov, Yevgeny Zyablov e Sergey Yerkin foram colocados em um centro de detenção preventiva. No mesmo dia, em Khabarovsk, Ivan Puyda foi revistado. Ele foi preso e depois levado a 1600 km de distância para o centro de detenção preventiva de Magadan. Os fiéis passaram de dois a quatro meses atrás das grades e depois foram colocados em prisão domiciliar. Em março de 2019, a FSB realizou outra série de buscas. O número de réus no caso chegou a 13, incluindo seis mulheres, incluindo idosos. O investigador considerou a realização de cultos pacíficos como organizar as atividades de uma organização extremista, participar e financiá-la. Em quase quatro anos de investigação, o processo contra 13 fiéis cresceu para 66 volumes. Entrou na Justiça em março de 2022. Nas audiências, ficou claro que o caso se baseava no depoimento de uma testemunha secreta - um informante do FSB que mantinha registros secretos de culto pacífico. Em março de 2024, os fiéis receberam penas suspensas de 3 a 7 anos.