Atualizado: 18 de julho de 2024
NOME: Beltikov Maksim Nikolayevich
Data de nascimento: 9 de outubro de 1980
Situação atual do processo penal: que cumpriu a pena principal
Artigos do Código Penal da Federação Russa: 282.2 (2)
Detidos: 245 Dias no centro de detenção provisória, 362 Dias na colônia
Frase: pena sob a forma de 2 anos de prisão com cumprimento de pena em colónia correcional de regime geral com privação do direito de se envolver em atividades relacionadas com a organização e participação em associações públicas, grupos durante 3 anos e com restrição de liberdade por 1 ano

Biografia

A vida tranquila da grande família de Maksim Beltikov, do território de Krasnodar, mudou da noite para o dia quando foram revistados em abril de 2020. Dois meses depois, um processo criminal foi aberto contra o crente e ele foi ordenado a não deixar o local. Em janeiro de 2022, um homem de família pacífico foi condenado a 2 anos de prisão apenas por causa de sua fé, ele foi levado sob custódia no tribunal. Em setembro de 2023, Beltikov foi libertado, tendo cumprido o mandato na íntegra.

Maksim nasceu em outubro de 1980 em Baltiysk (região de Kaliningrado). Mãe trabalhou a vida toda na padaria, recebeu o título de "veterana do trabalho".

Quando criança, Maksim gostava de música folclórica, tocava na orquestra de instrumentos folclóricos. Adorava apanhar cogumelos e peixes. Ele viveu em diferentes cidades: Baltiysk, Klaipeda (Lituânia), Liepaja (Letônia), e em 1993 mudou-se para a aldeia de Pavlovskaya para cuidar de seu avô doente.

Maksim começou a trabalhar cedo, já enquanto estudava nas turmas mais altas da escola noturna. Ao mesmo tempo, recebeu duas profissões: motorista das categorias B e C e pedreiro. Desde os 22 anos ele trabalhava como motorista, mas após uma lesão no olho passou para o cargo de especialista em proteção ao trabalho. Em seu tempo livre, gosta de fazer artesanato em madeira com as próprias mãos, gosta de jardinagem.

Maksim se interessou pelos ensinamentos bíblicos em sua juventude quando seu primo lhe falou sobre Deus. Ele ficou impressionado ao saber que Deus tem um nome pessoal, Jeová. Ele também ficou impressionado com o fato de que todas as profecias registradas na Bíblia são cumpridas, e os conselhos dela são aplicáveis na vida. O amor a Deus e o profundo respeito por este antigo livro levaram-no a tornar-se cristão.

Maksim conhece sua esposa Mariya desde a infância. Eles se casaram em maio de 2005. Mariya trabalha no campo da proteção social da população, ajuda as pessoas mais velhas a não se sentirem sozinhas. Ela adora reorganizar e consertar a casa. Há três filhos na família. Quando o tempo e o dinheiro permitem, os Beltikovs viajam com prazer.

O processo criminal, por causa do qual toda a família experimentou estresse, afetou tanto a saúde de Maksim quanto o bem-estar de sua mãe. Apesar das dificuldades, ela ajudou Mariya a cuidar das crianças. Parentes e amigos tentaram apoiar Maksim e compareceram a todas as audiências judiciais.

Falando em tribunal com o último pedido, Maksim disse: "Tenho vergonha dos especialistas que são desatentos ao estudar documentos dos quais depende a liberdade humana. Também é muito constrangedor e doloroso ver que a acusação não encontrou nada melhor do que convidar meus próprios amigos como testemunhas contra mim."

Histórico do caso

Maksim Beltikov, especialista em proteção trabalhista, um homem de família exemplar, pai de três filhos, foi acusado de extremismo. Em abril de 2020, a casa do crente foi revistada e, em junho, o investigador do FSB, tenente M. Loi, abriu um processo criminal contra o homem por suspeita de participar das atividades de uma organização extremista. A investigação considerou que o crente, “consciente da natureza criminosa e do perigo público de seus atos”, exercia “o papel de pregador”. Maksim foi colocado em reconhecimento para não sair. Em janeiro de 2021, o julgamento começou. Durante o processo, foi revelado que a transcrição da conversa de Beltikov com a principal testemunha de acusação Ilchenko foi falsificada. Em janeiro de 2022, o tribunal considerou Beltikov culpado e o condenou a 2 anos em uma colônia de regime geral com restrição de liberdade por 1 ano. O tribunal de apelação confirmou a sentença. Em agosto de 2023, o tribunal prorrogou a restrição de liberdade por mais 3 anos.