Caso de Akopyan em Prokhladny

Um breve histórico do caso

No final da década de 1980, Arkadya Hakobyan, sua esposa e três filhos fugiram da limpeza étnica no Azerbaijão. Mais de 25 anos depois, como um idoso pacífico, Arkadia tornou-se vítima da repressão religiosa. Em junho de 2016, um processo criminal foi aberto contra ele por um discurso público em que ele supostamente humilhou a dignidade de seguidores de outras religiões. Em maio de 2017, começaram as audiências no Tribunal Distrital de Prokhladnensky, durante as quais se descobriu que o depoimento das testemunhas subjacentes ao caso era falso, e a opinião do perito estava repleta de erros. O promotor pediu 3 anos de liberdade condicional para o crente. Em dezembro de 2018, o juiz Oleg Golovashko condenou o crente a 120 horas de trabalho compulsório. Em março de 2019, a Suprema Corte da República Kabardino-Balcarina anulou a condenação. Hakobyan foi inocentado de todas as acusações.